domingo, 1 de fevereiro de 2009

Um gato chamado Gatinho (de Ferreira Gullar)

O ron-ron do gatinho

O gato é uma maquininha
que a natureza inventou;
tem pêlo, bigode, unhas
e dentro tem um motor.

Mas um motor diferente
desses que tem nos bonecos
porque o motor do gato
não é um motor elétrico.

É um motor afetivo
que bate em seu coração
por isso ele faz ron-ron
para mostrar gratidão.

No passado se dizia
que esse ron-ron tão doce
era causa de alergia
pra quem sofria de tosse.

Tudo bobagem, despeito,
calúnias contra o bichinho:
esse ron-ron em seu peito
não é doença - é carinho.


O gato curioso

Era uma vez era uma vez
um gato siamês.

Por ser muito engraçadinho,
é chamado de Gatinho

Além de ser carinhoso,
ele é muito curioso.

Nada se pode fazer
que ele não deseje ver.

Se alguém mexe na estante,
está lá no mesmo instante.

Se vão consertar a pia,
está ele lá de vigia.

E o resultado é que quando
viu seu dono consertando

a tomada da parede,
meteu-se com tanta sede,

a cheirar tudo que – nhoque!
levou um baita de um choque!

E pensa que ele aprendeu?
Mais fácil aprendia eu!

Mantém-se o mesmo abelhudo
que quer dar conta de tudo.


Gato pensa?

Dizem que gato não pensa
mas é difícil de crer.
Já que ele também não fala
como é que se vai saber?

A verdade é que o Gatinho,
quando mija na almofada,
vai depressa se esconder:
sabe que fez coisa errada.

E se a comida está quente,
ele, antes de comer,
muito calculadamente
toca com a pata pra ver.

Só quando a temperatura
da comida está normal,
vem ele e come afinal.

E você pode explicar
como é que ele sabia
que ela ia esfriar?



A fala do gato

O gato siamês
tem uns vinte miados:
alguns são suaves,
outros exaltados;
há os miados graves
e há os engasgados.
É quase um idioma
que ainda não entendo
mas o gato bem sabe
o que está dizendo.

E até falou comigo
em linguagem de gente.
Disse: “meu amigo”,
assim de repente.

Então eu acordei
feliz e contente!
Era sonho, claro.
Mas, como se sabe,
é no sonho que ocorre
o que se deseja
e no mundo não cabe.


Companheiro fiel

Se estou trabalhando
– seja a que hora for –
Gatinho se deita ao lado
do meu computador.

Se vou para a sala
E deito no sofá,
Ele logo vai pra lá.

Se à mesa me sento a escrever poesia
e da sala me ausento
pela fantasia, volto à realidade
quando, sem querer,
toco de revés
numa coisa macia.

Já sei, não pago dez:
é o Gatinho que sem eu saber
veio de mansinho
deitar-se a meus pés.


Dono do pedaço

Para qualquer outro gato,
Gatinho não dá espaço.
Em nossa casa ele impera
– é o dono do pedaço.

Certa vez uma vizinha
– que era de fato uma tia –
pediu pra deixar seu gato
conosco só por um dia.

Mal o gato entrou em casa,
Gatinho se enfureceu,
pulou em cima do intruso
que, assustado, correu.

Gatinho saiu-lhe atrás
aos tabefes e às unhadas,
correram os dois pela casa
na mais louca disparada.

No quarto, em volta da cama,
por baixo e por cima dela,
rodaram como foguetes,
sumiram pela janela.

Só depois de muito esforço,
pude conter o Gatinho,
enquanto o outro fugia
pro apartamento vizinho.

Assim acabou-se a guerra
que me serviu de lição:
proibo a entrada de gatos;
só gatas têm permissão.


Final

Era o que eu tinha a contar
sobre o meu gato Gatinho
que muito tem me ensinado
de amizade e de carinho.

Um siamês, pêlo escuro,
olhos azuis, cara preta,
é o bicho – lhes asseguro –
mais “fofo” deste planeta.


Um gato chamado Gatinho, de Ferreira Gullar. São Paulo: Salamandra, 2000.

13 comentários:

  1. A-D-O-R-O!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    MUITO MUITO MUITO MARAVILHOSO!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. legal gostei do era uma vez um gato chamado gatinho e la do saral

    ResponderExcluir
  4. A QUE EU MAIS CURTO E O GATO CURIOSO E COMPANHEIRO FIEL

    ResponderExcluir
  5. Puuxaaa!! Eu tinha todos esses versinhos no meu caderninho de escola mas desconhecia a autoria! Muito legal!

    Opa, vou aproveitar e te seguir no blog!

    Att =^.^=

    ResponderExcluir
  6. DUVIDO QUE HAJA NO MUNDO
    ALGO QUE POSSA EXPRESSAR
    COM TANTA FIDELIDADE
    O QUE UM GATO POSSA REPRESENTAR
    SÓ MESMO OS VERSOS DESTE FELINO CHAMADO GULLAR.
    AMO ESTE POEMA E AMO GATOS.

    ResponderExcluir
  7. Curti muito os poemas. Gostei do "felino chamado Gullar" do comentário anterior. É verdade, nós que amamos os gatos somos, graças a Deus, pelo menos um pouco felinos, sim. FM

    ResponderExcluir
  8. =^.^-, tenho dois: Um tigrado vira-latas legítimo, que adotei BB, companheiríssimo, chego a pisar nele sem querer, de tão grudado, e um siamês com Angora que é muito lindo, já chegou com quase um ano e está se adptando, mas faz um cafuné que eu fico pensando, onde vc meu lindo aprendeu isso... amooooooooooooooo demais!

    ResponderExcluir
  9. Que legal ver esses por minhas de novo... ganhei na escola uma coleção de livros quando eu tinha nove p dez anos e esse livrinho O RON RON DO GATINHO veio junto mais por infelicidade eu o perdi mais mesmo assim me lembrava dele ai decidi procurar na Internet p ver se acha e p minha felicidade acheii😻😺😍

    ResponderExcluir
  10. Que legal ver esses por minhas de novo... ganhei na escola uma coleção de livros quando eu tinha nove p dez anos e esse livrinho O RON RON DO GATINHO veio junto mais por infelicidade eu o perdi mais mesmo assim me lembrava dele ai decidi procurar na Internet p ver se acha e p minha felicidade acheii😻😺😍

    ResponderExcluir
  11. Que legal ver esses por minhas de novo... ganhei na escola uma coleção de livros quando eu tinha nove p dez anos e esse livrinho O RON RON DO GATINHO veio junto mais por infelicidade eu o perdi mais mesmo assim me lembrava dele ai decidi procurar na Internet p ver se acha e p minha felicidade acheii😻😺😍

    ResponderExcluir